terça-feira, 22 de setembro de 2009

quem diga que o Amor é efémero.
Que o Amor é eterno.
Que o tempo cura tudo.
Que o Amor é ilusão.
Que o Amor é Paixão.
Que o Amor é doença.
Que o Amor é dependência!
Há quem defenda que só se ama uma vez na vida.

E já Pessoa dizia, que nunca amamos ninguém. Amamos, tão-somente, a ideia que fazemos de alguém. Umconceito nosso - em suma, é a nós mesmos - que amamos.

E depois há ainda os que vivem na espera, presos no tempo.
Os que se acomodam.
E os que não deixam de acreditar que nenhuma espera é inútil numa vida cheia de tempo – ou falta dele.


3 comentários:

Pedro de Payalvo disse...

o amor é egoismo... amamos quem nos faz sentir bem, é por isso que não queremos perder a pessoa que nos faz sentir assim, bem connosco...

Patty disse...

POr isso é que o amor de mãe é incondicional! Ama sem exigir o mesmo.

Rabisco disse...

É tão complicada essa definição...
Sabes...concordo cada vez mais com a definição de Fernando Pessoa... amamos uma imagem que construímos e tantas vezes ela não corresponde ao real.